quarta-feira, 29 de junho de 2011

Chá-de-bebê: presentes bem-vindos

Imagem Google

Existem várias maneiras de se fazer um chá-de-bebê. Isso depende do gosto da mamãe (bom eu já considero mãe a partir do momento em que a mulher está grávida).

Tem algumas que preferem brincadeiras com direito à pinturas, danças, comes e bebes. Tem chá-de-bebê que é feito mais em particular com as amigas em casa ou em um espaço próprio, e tem também aqueles feitos em empresas, juntando todos os colegas de trabalho.

Eu não optei por fazer um particular por razões "particulares", mas em compensação uma colega juntou todo o pessoal da empresa onde eu trabalhava e fizeram o chá-de-bebê para mim. Do fundo do meu coração sou grata à ela por essa inciativa pois foi tudo tão bem vindo!

O que pedir? Tudo relacionado à enxoval de bebê é bem vindo como eu disse, como a minha colega já era mãe de um menino com 1 ano e meio na época me deu umas dicas preciosas.

Alguns de tantos presentes importantes, o que ela me disse era para pedir fraldas, fraldas e mais fraldas, incluindo outros produtos de higiene como: pomada para a prevenção de assaduras, lenço umedecido, algodão, loção de limpeza e entre outros.

A gente usa por bastante tempo, mas nos primeiros meses são os itens mais utilizados. Eu mesmo comecei a comprar fraldas depois que minha filha completou 10 meses.

Bem fica a dica mais para clarear a ideia de como você pode fazer o seu chá-de-bebê e que pedir.

E você que já fez? Tem alguma dica para complementar e ajudar quem quer fazer?

domingo, 26 de junho de 2011

Hora de procurar uma maternidade

Imagem Google


A escolha da maternidade é um ponto muito importante e que deve ser procurada durante a gravidez. Para quem tem plano de saúde, observe primeiro qual maternidade é do seu interesse, verificar se o plano cobre os serviços prestados por ela e principalmente ouvir a opinião de outras pessoas.

Assim você se sentirá mais segura, evitará surpresas (indesejadas) e terá a maior parte do seu tempo voltado para a chegada do seu bebê!

É claro que isso trata-se de planejamento, não quer dizer que na hora do parto seja exatamente o que foi "escrito" até porque como sempre digo, todo o momento da gravidez é único, muitas mulheres entram em trabalho de parto em vários lugares do mundo no mesmo minuto, mas cada uma passa por um processo diferente e isso deve ser respeitado.

Fico triste quando leio ou ouço uma mãe dizendo o quanto sofreu por falta de tratamento adequado pelos profissionais de uma determinada maternidade seja ela particular ou pública, deixando-a com trauma e desejando não ter mais filhos.

Mas procure pesquisar para que você possa se sentir mais tranquila e segura das informações que buscou.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Howard Chilton - Criando Bebês 2ª Edição





Indicação de leitura:

"De repente, eles nos olham nos olhos e dizem adeus; e nós nos perguntamos onde foi parar a infância deles. Ela se foi, enquanto nós esperávamos que eles fizessem isso ou aquilo, que fossem um pouco mais maduros e que não nos atrapalhassem tanto."

Este livro me ajudou muito durante os primeiros meses de vida da minha filha.

Eu como mãe de primeira viagem tinha muitas dúvidas e por este motivo, o livro ficava comigo em todos os cantos da casa, e com a bebê no colo.

Howard Chilton - Criando Bebês 2ª Edição

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Um bom obstetra

Imagem Google

Eu considero que encontrar um Obstetra seja 8 ou 80. Há mulheres que tem a sorte de ter um médico que a acompanha há anos como Ginecologista, durante o pré-natal e principalmente, o tem por perto no momento do parto, mas as histórias que tenho lido e ouvido nem sempre é assim. Vários fatores podem fazer com que 100% deixa de ser 100%.

Vou contar a minha história, e acredito que você mamãe ou gestante possa se identificar com ela. 

O meu problema foi relacionado ao plano de saúde. O tipo do plano não cobria o parto caso eu quisesse que meu GO (Ginecologista e Obstetra) fizesse o meu parto. Quando ele perguntou qual o meu plano logo desdenhou de mim e disse que se eu quisesse o trabalho dele teria que entrar em contato com o plano de saúde, para confirmar quanto ficaria a mais além do que eu já pagava.

Depois disso não deu mais atenção que uma grávida necessita. Então juntou que eu trabalhava longe de casa e do consultório preferi trocar de GO. Logo na primeira consulta ele disse também que não faria o meu parto por causa do plano, mas que daria toda assistência durante o pré-natal. Gostei do tratamento dele! Depois disso eu passei a ter um bom acompanhamento.

Confesso que fiquei preocupada, comecei a pensar como que seria meu parto caso não fosse o meu médico, e tantas outras coisas que passa pela cabeça de uma grávida. Até que com o tempo passei a confiar mais em Deus, sabendo que só fato d'Ele permitir de eu ser mãe, sabia que Ele estaria comigo em todo o momento. Meu parto foi normal e com uma ótima médica de plantão, que também é profissional e está acostumada a fazer partos o tempo todo.

Saiba que nem sempre o médico GO que acompanha o seu pré-natal é o mesmo que faz o seu parto por diversos fatores: dependendo do tipo de parto, o risco e a rapidez com que tenha que ser feito, o médico não chega a tempo.

Um bom obstetra é fundamental para o acompanhamento do pré-natal, vale a indicação de amigas, pessoas próximas que confiem no trabalho do profissional.

Comente como foi seu caso!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Os filhos são...

Olá, quanto tempo! Que saudades!

Estou de volta! Desde fevereiro que estava sem internet e finalmente estou aqui para dar continuidade ao blog...

Em alguns momentos pensei em deixar pra lá, mas as coisas que sinto como mãe me faz ir em frente e compartilhar com vocês!

Eu li o texto abaixo em outro blog e fiz questão de deixar aqui também para refletirmos um pouquinho.



Filhos são do mundo
(José Saramago)

Imagem Google

Devemos criar os filhos para o mundo. Torná-los autônomos, libertos, até de nossas ordens. A partir de certa idade, só valem conselhos.
Especialistas ensinaram-nos a acreditar que só esta postura torna adulto aquele bebê que um dia levamos na barriga. E a maioria de nós pais acredita e tenta fazer isso. O que não nos impede de sofrer quando fazem escolhas diferentes daquelas que gostaríamos ou quando eles próprios sofrem pelas escolhas que recomendamos.
Então, filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado.
Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo! Então, de quem são nossos filhos? Eu acredito que são de Deus, mas com respeito aos ateus digamos que são deles próprios, donos de suas vidas, porém, um tempo precisaram ser dependentes dos pais para crescerem, biológica, sociológica, psicológica e emocionalmente.
E o meu sentimento, a minha dedicação, o meu investimento? Não deveriam retornar em sorrisos, orgulho, netos e amparo na velhice? Pensar assim é entender os filhos como nossos e eles, não se esqueçam, são do mundo!
Volto para casa ao fim do plantão, início de férias, mais tempo para os filhos, olho meus pequenos pimpolhos e penso como seria bom se não fossem apenas empréstimo! Mas é. Eles são do mundo. O problema é que meu coração já é deles.
Santo anjo do Senhor…
É a mais concreta realidade. Só resta a nós, mães e pais, rezar e aproveitar todos os momentos possíveis ao lado das nossas ‘crias’, que mesmo sendo ‘emprestadas’ são a maior parte de nós !!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...